segunda-feira, 16 de outubro de 2017

CONVITE DE APRESENTAÇÃO DO SECRETÁRIO MUNICIPAL DA CULTURA


ILHÉUS POSSUI O ÚNICO CURSO TÉCNICO DE TEATRO DA BAHIA


Ilhéus possui o único curso técnico de Teatro do estado da Bahia, ministrado pelo Centro Estadual de Educação Profissional do Chocolate Nelson Shaun (CEEP), no bairro do Malhado. Os alunos do curso farão a apresentação de estreia do espetáculo “Epa! Quem foi? Quem viu?”, nesta segunda-feira e amanhã, 16 e 17 de outubro, às 19h30min, no palco do Teatro Municipal de Ilhéus.

Para o ator e coordenador da secretaria municipal de Cultura, Pawlo Cidade, o curso técnico de Teatro do CEEP “é de extrema importância para o desenvolvimento pessoal e social do aluno. Além de despertar novos talentos para as artes cênicas, o curso técnico ajuda a preparar o estudante para o mercado de trabalho e é um instrumento valioso para as relações interpessoais. Afinal, no Teatro, você aprende a se relacionar em grupo, a trabalhar em equipe, além de conhecer mais de perto as pessoas. ”

A peça traz cenas escritas pelos próprios estudantes, com releituras do escritor e dramaturgo (in memorian), Naum Alves de Souza, no texto “Aurora da Minha Vida”. A direção é dos professores Jones Mota e  Valdiná Guerra, que é coordenadora do curso. O valor do ingresso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

A apresentação do espetáculo conta com o apoio da Prefeitura de Ilhéus. Participam da produção 27 estudantes das duas turmas do curso técnico, que foi implantado no ano passado. Este ano, a primeira turma encenou, no Teatro Municipal, em janeiro, a peça “Via Sacra em Versos pelos olhos de Maria”, e, em julho último, foi apresentada a terceira temporada de “Sonhos de Uma noite de Verão”.

A peça propõe uma narrativa dramática com o objetivo de questionar práticas educacionais tradicionais e autoritárias oriundas da ditadura militar e o momento político contemporâneo. Também são abordados questionamentos de situações sociais e culturais em que os jovens estão inseridos, como o bullying, os transtornos alimentares, a sexualidade e as questões de raça e poder, tratados com um humor que beira a sátira, sem deixar o que é politicamente correto de lado.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

PAWLO CIDADE SERÁ EFETIVADO COMO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE CULTURA


O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, designou o escritor e dramaturgo  Pawlo Cidade, funcionário público municipal, para o comando da pasta de Cultura do município. Na conversa entre ambos sobre a condução das políticas culturais, Pawlo Cidade apresentou um planejamento estratégico para as ações a serem desenvolvidas nos próximos anos e ouviu sugestões e orientações do prefeito sobre os trabalhos da secretaria.
Pawlo Cidade é pedagogo e especialista em gestão cultural. Como escritor é autor de 15 obras publicadas, como O Santo de Mármore, A Casa de Santinha, O Tesouro Perdido das Terras do Sem Fim, entre outros. Sua produção literária o conduziu à Academia de Letras de Ilhéus, na qual ocupa a cadeira 13 cujo patrono e ex ocupante é ninguém menos do que o seu fundador, Jorge Amado. A mesma cadeira foi ocupada pela escritora  Zélia Gattai, esposa de Jorge. Outras publicações de sua autoria abordam, exclusivamente, o tema “Cultura”.  A cartilha “Como Transformar a Cultura Em Um Bom Negócio” apresenta um roteiro com 17 questões que orientam sobre gestão, produção e fazer cultural, para auxiliar o setor a transformar ideias em renda, através da organização e profissionalização dos agentes culturais.
Cidade tem como uma das metas atualizar e finalizar o inventário do patrimônio material e imaterial da Cultura de Ilhéus. “Para planejar é preciso conhecer”, reflete, ao discorrer sobre a necessidade desse cadastramento como base para um trabalho eficiente que contemple amplamente os segmentos culturais locais. A partir daí, pretende trabalhar com várias linhas de ações que envolvem desde inclusão cultural, preservação da memória, passando por empreendedorismo e fomento. “O papel do órgão que conduz as políticas culturais deve ser o de fomentador, deixando a produção por conta da classe artística”, explica.
O gestor aponta as parcerias, a transversalidade com outros órgãos governamentais em diversas instâncias, os fundos de cultura e a captação de recursos públicos federais, estaduais, além dos privados, para o financiamento do programa que está implementando.  Dentre os objetivos, pretende que a produção cultural associada ao turismo, coloque Ilhéus em destaque como “cidade criativa”, ampliando as possibilidades de geração de emprego e renda. “Então, a inovação, as tecnologias, assim como a tolerância, tornam-se indispensáveis e atualizam as perspectivas da sociedade através do setor cultural”.
A indicação de Pawlo Cidade vem repercutindo positivamente no meio cultural e a sua nomeação deve acontecer tão logo a reforma administrativa esteja regulamentada, nos próximos dias. O presidente da Academia de Letras de Ilhéus, André Rosa, e a mestra da cultura popular, Janete Lainha, que assumirá no próximo dia 25 a presidência do Conselho Municipal de Cultura, manifestaram apoio a decisão do prefeito Mário Alexandre, que “atendeu a expectativa do segmento”, disseram.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

CURSO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA - EAD, GRATUITO, VAGAS LIMITADAS


Estão abertas as inscrições para a SEGUNDA TURMA do curso gratuito, à distância, Sistema Nacional de Cultura: aspectos jurídicos, políticos e práticos. 
A certificação será expedida pela Escola do Legislativo da Assembleia de Minas Gerais e Instituto Conhecer e Transformar Mestre Guiga. Os públicos alvo são servidores, gestores e agentes públicos, gestores culturais e demais interessados.
INSCRIÇÕES: 

1- Entre em http://ead.almg.gov.br 
2- Clique no nome do Curso para pedir a inscrição. ATENÇÃO: clicar na SEGUNDA TURMA.
3- Preencha os dados para cadastro na plataforma. 
Há 1300 vagas disponíveis! Não perca essa oportunidade!

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

EXPOSIÇÃO DE ARTE POPULAR NA GALERIA DO TEATRO MUNICIPAL DE ILHÉUS

Bumba-meu-boi dos Machadeiros de Olivença

A Galeria do Teatro Municipal de Ilhéus abriga a exposição “Pontos de Cultura”, que fica aberta até o próximo dia 10 de outubro, das 9 às 18 horas, com entrada gratuita.  A mostra é resultado do Seminário “Gestão, conselho e políticas culturais”, realizado de 29 de setembro a 1º de outubro, também no Teatro, que debateu o tema “O lugar da Cultura na Gestão Pública.”
A exposição reúne trabalhos de artistas e artesãos representantes de diversos pontos de cultura da região Sul da Bahia, a exemplo do Teatro Popular de Ilhéus, Machadeiros de Olivença, Mãe Ilza Maculê, Casa de Cultura Popular (Casar) e Ponto de Memória Casarão João de Góes.
Seminário – O Seminário “Gestão, conselho e políticas culturais” discutiu temáticas relacionadas à economia da cultura e desentendimentos, os desafios da municipalização na economia criativa, acessibilidade cultural, o papel social e transformador dos conselhos de Cultura, e contou com a participação de diversas especialistas que atuam no movimento cultural do país.
O seminário foi realizado pela Secretaria de Cultura de Ilhéus, Comunidade Tia Marita e apoio institucional do Fórum de Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Território Litoral Sul (FaegSul), Córdula Consultoria Cultural, Conselho Estadual de Cultura, Iteia, Ilhéus FM, Phoenix Eventos e patrocínio da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O LABORATÓRIO DA CENA 2018



Os Clowns convidam atores, diretores, dramaturgos, iluminadores, músicos, produtores e demais artistas a compartilhar um intenso processo de preparação e criação a partir da práxis do grupo entre os dias 22 de janeiro a 3 de fevereiro de 2018.

Na edição de 2018, o Laboratório da Cena terá como eixo a provocação “Espaços de convivência, espaços de (in)tolerância”, e visa explorar conjuntamente com os participantes as possibilidades cênicas do teatro de rua.

Ao longo de 14 dias, os participantes passarão por uma experiência de troca com todos os integrantes dos Clowns, vivenciando as práticas do grupo no que tange os aspectos da direção de movimento, voz, jogos, dramaturgia, direção, iluminação e gestão, em processos de criação que resultarão em exercícios cênicos que serão compartilhados através de uma apresentação pública no último dia do projeto.

O Laboratório da Cena acontece de segunda a sábado, das 14h às 22h, sendo fundamental que os participantes tenham disponibilidade para participar do curso integralmente.

O processo seletivo acontece em duas etapas:

1. Análise de currículo e carta de intenção preenchida por formulário eletrônico;
2. Entrevista


Os inscritos de fora do Rio Grande do Norte farão a entrevista via Skype. Serão oferecidas vagas para cinco áreas de interesse. Serão selecionados 20 atores, 5 diretores, 5 dramaturgos, 3 iluminadores e 3 produtores, sendo necessário especificar o interesse em uma das funções já no ato de inscrição.

As inscrições ficam abertas no período de 29 de setembro a 19 de outubro. O investimento é de R$ 700,00 para brasileiros e US$ 250 para residentes fora do país. Os interessados que se inscreverem no período de 29 de setembro a 6 de outubro pagarão, caso selecionados, um valor promocional de R$ 600,00 (US$ 200 para residentes fora do Brasil). Lembramos que essa inscrição não significa que o interessado está automaticamente selecionado.

O anúncio dos pré-selecionados para a segunda etapa será feito no dia 21 de outubro, no site (www.clowns.com.br) e facebook (Clowns de Shakespeare).

Cronograma:
Lançamento: 29/09
Inscrições até dia 19/10
Divulgação pré-selecionados dia 21/10
Entrevistas: 23 a 27/10
Resultado Final: 28/10


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

SEMINÁRIO DESTACOU LUGAR DA CULTURA NA GESTÃO PÚBLICA

Pawlo Cidade e Américo Córdula
Durante três dias, gestores, estudantes, professores, artistas e produtores culturais, discutiram e trocaram experiências no seminário “Gestão, Conselho e Políticas Culturais”, que debateu o lugar da Cultura na Gestão Pública nos dias 29 e 30 de setembro e 01 de outubro, no Teatro Municipal de Ilhéus. Durante a abertura, a Orquestra Jovem Canto das Artes, da Fundação Movimento Canto Corais, de Itapetinga, apresentou um concerto especialmente preparado para a saudar os participantes. De ‘Ode Alegria’, de Ludwig van Beethoven ao Hino Nacional, do auto Francisco Manuel da Silva, passando por ‘Primavera’ de Antonio Vivaldi e ‘Viva la Vida’’ de Coldplay. Toda a plateia cantou junto o Hino Nacional apresentado pela orquestra, sob a batuta da maestrina Leniza Souza.
Nomes do cenário nacional como Cláudia Leitão, ex-secretária de cultura do Estado do Ceará e especialista em Economia Criativa; Bernardo Machado, cientista político e pesquisador da Fundação João Pinheiro, de Belo Horizonte, e Américo Córdula, professor de Gestão Cultural da PUC São Paulo e ex-secretário da identidade e diversidade cultural do Ministério da Cultura juntaram-se aos ativistas e gestores do Litoral Sul, de Salvador e mais nove territórios da Bahia como Lula Dantas, Pawlo Cidade, André Rosa, Márcio Ângelo, Romualdo Lisboa, Victor Aziz, Cris Alves.
Também, Pedro Jatobá, Maria Áurea de Souza, Emílio Tapioca – presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia (CEC), Alexandre Simões – superintendente de promoção cultural da Secretaria Estadual de Cultura; Claudiana Figueiredo, coordenadora regional do SEBRAE; Roberta Brandão, mestre Dimainha, Danyelle Pimentel, Rosa Rasuck, da Cia Capixaba de Teatro e Circo, Samuel Mattos; professor Fernando Reis, coordenador do Curso de Especialização em Gestão Cultural da Universidade Estadual de Santa Cruz e o pró-reitor de Extensão da UESC o professor Dr. Alessandro Fernandes Santana.
Entre os temas discutidos, a Economia da Cultura e Desentendimentos, os desafios da municipalização na Economia Criativa, acessibilidade cultural, o papel social e transformador dos conselhos de cultura provocou os quase duzentos participantes. Para o curador e gestor cultural, Pawlo Cidade, o seminário “consolidou o lugar da cultura na gestão pública – pelo menos – para os seminaristas. Se havia alguma dúvida de como tratar a cultura nos planos de governo, essa dúvida foi sanada”, garantiu.
Apresentações culturais das cidades de Ilhéus, como o bloco afro Batuka Gêge e o contador de histórias José Delmo; o grupo de capoeira do mestre Dimainha, de Canavieiras.
O seminário Gestão, Conselho e Políticas Culturais foi uma realização da secretaria municipal de Cultura de Ilhéus, a Comunidade Tia Marita e apoio institucional do FAEGSUL, Córdula Consultoria Cultural, Conselho Estadual de Cultura, Iteia, Ilhéus FM, Phoenix Eventos e patrocínio da Pró-Reitoria de Extensão da UESC e do SEBRAE.
VEJA TODOS AS FOTOS DO SEMINÁRIO ACESSANDO A PÁGINA DA COMUNIDADE TIA MARITA NO FACEBOOK: 

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

É HOJE!

SEMINÁRIO DE GESTÃO, CONSELHO E POLÍTICAS CULTURAIS: O LUGAR DA CULTURA NA GESTÃO PÚBLICA



A Orquestra Jovem Canto das Artes, (foto) da Fundação Movimento Canto Corais, do Município de Itapetinga abre as atrações culturais que irão saudar os participantes do primeiro seminário de Gestão, Conselho e Políticas Culturais do sul da Bahia. Tem ainda a apresentação do grupo de surdos de capoeira, coordenado pelo mestre Dimainha de Canavieiras e do grupo afro Batuka Gêge, de Ilhéus.

Em seguida, após a formação da mesa com autoridades, a especialista em Economia Criativa, doutora Cláudia Leitão faz a palestra de abertura do primeiro dia. Ao todo, cinco palestras, três rodas de conversa e um debate mobilizam 22 ativistas culturais que discutirão temas como Acessibilidade Cultural, Consórcio Cultural, Economia Criativa, Redes Colaborativas, Pontos de Cultura e Economia da Cultura. 

Cláudia Leitão

São palestrantes também Bernardo Novais da Mata Machado, cientista político, historiador e co-autor e articulador do Sistema Nacional de Cultura; Américo Córdula, de São Paulo; Rosa Rasuck do Espírito Santo; Claudiana Figueiredo de Ilhéus, Pawlo Cidade, André Rosa, Márcio Ângelo, Romualdo Lisboa, Cris Alves, Roberta Brandão, Danyelle Pimentel, Lula Dantas, Pedro Jatobá, Dr. Alessandro Fernandes, pró-reitor de Extensão da Universidade Estadual de Santa Cruz e muitos outros.

Gestão, Conselho e Políticas Culturais: o lugar da Cultura na Gestão Pública tem apoio cultural do SEBRAE e da PROEX/UESC, com apoio institucional da Secretaria Municipal de Cultura de Ilhéus, do Fórum de Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Litoral Sul - FAEGSUL e da Córdula Responsabilidade Cultural, com colaboração da Video Play Digiral, Phoenix Eventos, Ilhéus FM, Hotel Britânia, Ilhéus Praia Hotel, Ilhéus Hotel, Restaurante Gabriela, Espaço Cultural Bataclan. A realização é da Comunidade Tia Marita e curadoria de Pawlo Cidade.

QUANDO?

Dia 29, das 18h00 às 21h30
Dia 30, das 8h00 às 12h00; 14h00 às 18h00
Dia 1, das 9h00 às 12h00; 14h00 às 17h00.

ONDE?

TEATRO MUNICIPAL DE ILHÉUS

QUANTO?

INSCRIÇÕES GRATUITAS.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

ESTÁTUA DE JORGE AMADO RECEBE REVITALIZAÇÃO DA PINTURA


Um dos monumentos mais fotografados de Ilhéus, a estátua do escritor baiano Jorge Amado, está passando por uma revitalização na sua pintura. Iniciou hoje (27), pelas mãos do artista plástico ilheense Beto Shaolin, um trabalho cuidadoso de remoção dos fungos e detritos de sujeira que estão impregnados na estátua, devido ao desgaste da ação do tempo. O serviço está sendo realizado em parceria com o restaurante Vesúvio que desde ontem (26), abriu as portas para o público.
"Jorge Amado é nosso escritor maior. Foi por ele e com ele que Ilhéus foi apresentada ao mundo. Tudo que fizermos ainda é pouco para fortalecer sua obra", reforça o gestor cultural, Pawlo Cidade.
A obra material está localizada em frete a Casa de Cultura que leva seu nome, e retrata o escritor usando chapéu, a tradicional gravata e uma bengala, retratando uma das últimas imagens de Jorge ainda em vida.
Fonte: Secom/Ilhéus

terça-feira, 26 de setembro de 2017

CULTURA, A CEREJA DO BOLO?

Bernardo Machado é um dos palestrantes do Seminário
Seminário de cultura promovido pela Comunidade Tia Marita é o maior da área já realizado no Território Litoral Sul. (Arte: Divulgação).
Não é raro nos depararmos com discursos e medidas que colocam e usam a cultura como um mero adereço para alavancar negócios, enriquecer destinos turísticos, valorizar marcas e empresas, entre outros. Nesse sentido, a cultura é sempre vista como uma espécie de “cereja do bolo”, aquele algo a mais que serve a outras demandas mais importantes, um acessório.
É com a intenção de contribuir para desmistificar essa ideia equivocada, que será realizado nos dias 29, 30 de setembro e 01 de outubro o Seminário “Gestão, Conselhos e Políticas Culturais: o lugar da cultura na Gestão Pública”, na cidade de Ilhéus.
A ideia é evidenciar a cultura como elemento crucial no desenvolvimento econômico dos municípios, é o que afirma Pawlo Cidade, ativista cultural, servidor público municipal de Ilhéus e curador do seminário.
Para além disso, o seminário objetiva também construir espaços de diálogo entre artistas, gestores culturais, pesquisadores, conselheiros de cultura, professores e interessados na área da cultura de todos os territórios de identidade da Bahia, visando fomentar um consórcio cultural entre os municípios da região.
“A Cultura sempre fica de fora dos planos de governo. Nunca é vista como elemento estratégico das ações governamentais. Nesse sentido, fizemos uma curadoria com foco na gestão da cultura, trazendo discussões, rodas de conversas e debates onde a cultura assume seu protagonismo e é apontada como política pública de excelência para os municípios da Bahia”, Ressalta Pawlo Cidade a respeito da importância do evento.
A programação do seminário conta com palestras, debates e rodas de conversa. Dentre os palestrantes e debatedores que virão a Ilhéus estão o cientista político e historiador Bernardo da Mata Machado; o ex-secretário da Identidade e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Américo Córdula, e a socióloga Cláudia Leitão, uma das maiores especialistas em Economia Criativa do Brasil, entre outros articuladores culturais da região.
O Seminário “Gestão, Conselhos e Políticas Públicas” está sendo promovido pela Comunidade Tia Marita, com apoio institucional da Secretaria Municipal de Cultura de Ilhéus, da Córdula Responsabilidade Cultural e do Fórum dos Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Território Litoral Sul (FAEG-SUL). Possui também o apoio cultural da Pró Reitoria de Extensão da UESC e do SEBRAE, além do apoio estrutural da Ilhéus FM, ITEIA, Restaurante Gabriela e Espaço Cultural Bataclan.

COMUNIDADE TIA MARITA

A Comunidade Tia Marita é uma organização da sociedade civil criada em 2008 por um grupo de teatro dirigido por Pawlo Cidade com o objetivo de prestar consultoria e assessoria na gestão cultural e em projetos culturais, sobretudo ligados às artes cênicas. Nos últimos três anos, produziu e executou diversos projetos, como o “Teatro Jovem: Desenvolvimento Pessoal e Social Através do Teatro”; “Seminário Teatro e Teatralidades: Conversas e convergências”; “Exposição Índios na Janela”; “Festival de Dança Itacaré: Ano VI”, entre outras ações.
programação_seminário.jpg
Programação de abertura conta com palestra da socióloga Dra. Cláudia Leitão com o tema: “O Papel Estratégico da Economia Criativa nas Políticas Públicas de Cultura dos Municípios”. (Arte: Divulgação).
Então, se você deseja participar deste seminário, corra! As inscrições se encerram amanhã (26) e devem ser feitas por meio de preenchimento do formulário virtual. O evento é gratuito e tem início no dia 29 de setembro, às 19h, no Teatro Municipal de Ilhéus. Para maiores informações, acesse o blog: www.gestaodacultura.blogspot.com
Fonte: I´MIDIA

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

FLICA 2017 TRAZ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA PENSADA PARA AS CRIANÇAS



Desde 2013, as crianças têm lugar cativo dentro da programação da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), que este ano acontece entre os dias 05 e 08 de outubro na cidade localizada a 130km de Salvador. A Fliquinha é o espaço da garotada, com contações de histórias, bate-papos e apresentações teatrais e musicais, com curadoria de Mira Silva e Lilia Gramacho. 

Em 2017, como em todos os outros anos, a Fliquinha traz a literatura nas mais diversas plataformas, seja no cinema, no teatro e na música. Os autores e o livro possibilitarão às crianças revisitarem expressões narrativas como objetos de prazer, de ludicidade e de descoberta. Esta será a 5º edição do espaço que já faz parte da programação oficial da Flica. 

“Quando pensamos a programação, o nosso compromisso é atiçar a natureza curiosa infantil através de uma programação que amplia o conceito do livro, para o campo das multlinguagens, tendo como premissa um fio narrativo que invoca aquilo que temos mais singular: a nossa capacidade de imaginar” explica a Mira Silva. 

Este ano a Fliquinha apresenta o show “Pé de Maravilha”, projeto musical infantil do cantor Saulo, que mistura no repertório, clássicos infantis da música popular brasileira, aos cheiros e estímulos originários da floresta representada no palco por um jardim tropical. “É uma satisfação muito grande, ter um artista como Saulo na nossa programação, além de ele ser um grande nome da nossa música, no seu show, ele traz o universo da natureza e da música para as crianças, principalmente nesse mundo tão tecnológico”, completa a curadora.

Com mais de 20 atrações, nos quatro dias de evento, a criançada pode esperar muita contação de histórias, espetáculos teatrais e musicais, lançamento de livros, bate-papo com autores e muito mais. Orquestra Rumpilezzinho, Carolina Cunha, Antonio Moreno, Renato Moriconi, Iara Sydenstricker, Pablo Marutto, Renata Fernandes são alguns dos nomes nacionais e locais já confirmados para a programação.  Fliquinha acontece no Cine-Theatro Cachoeirano, prédio tombado pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 

Flica 2017 -
 A sétima edição, que acontece entre os dias 5 e 8 de outubro, traz para o Recôncavo Baiano influentes nomes da literatura nacional e internacional, com programação para adultos e crianças. Em 2017, estão programados debates literários, lançamento de livros, exposições, apresentações artísticas, contações de histórias e saraus.

Todos os anos, escritores de diversos matizes se reúnem para debater e interagir com o público, que tem acesso gratuito a todas as atrações do evento. A festa costuma atrair mais de 20 mil visitantes a Cachoeira.
Uma novidade deste ano será a curadoria. O escritor e jornalista Tom Correia assume a função ocupada, em 2016, por Emmanuel Mirdad, um dos idealizadores e coordenador geral da Flica.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

ÚLTIMOS DIAS DE INSCRIÇÕES PARA O SEMINÁRIO DE GESTÃO, CONSELHO E POLÍTICAS CULTURAIS


Mais de 200 agentes culturais já se inscreveram para o Seminário “Gestão, conselho e políticas culturais: o lugar da cultura na gestão pública” que será aberto às 18 horas do dia 29 deste mês, com diversas apresentações da área. Após a formação da mesa, a socióloga Cláudia Sousa Leitão (foto), ex-secretária de Cultura do Estado do Ceará, vai proferir a palestra “O papel estratégico da economia criativa nas políticas públicas da cultura nos municípios”. A inscrição é online e será encerrada na próxima segunda-feira (25).

De acordo com a programação, no sábado (30), a partir das 8 horas, inicia o processo de credenciamento, seguido de palestra do advogado Alessandro Fernandes de Santana que falará sobre “Economia da cultura e desentendimento”. A mediação será feita pelo presidente do Fórum de Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Território Litoral Sul (Faeg-Sul), Victor Aziz. Às 11 horas ocorre outro debate “Pontos de cultura para além do cultura viva”, por Cris Alves, do Iteia/Bahia, Lula Dantas, da ACAI e Pedro Jatobá, do Iteia/Pernambuco. Os trabalhos serão mediados por Kuka Mattos, assessor de relações institucionais da Fundação Cultural da Bahia.

Já à tarde, o cientista político mineiro e um dos criadores do Sistema Nacional de Cultura, Bernardo da Mata Machado irá falar sobre “O papel social e transformador dos Conselhos de Cultura”, com mediação do presidente do Conselho Estadual de Cultura de Andaraí, Emílio Carlos Tapioca. Depois, a coordenadora regional do Sebrae e especialista em economia criativa, Claudiana Figueiredo irá abordar “Cultura e desenvolvimento na perspectiva da economia criativa”, mediada pela articuladora cultural de Canavieiras, Maria Áurea de Souza, vice-presidente do Faeg-Sul e participação de Alexandre Simões, superintendente de Promoção Cultural da Secretaria de Cultura da Bahia.


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

FESTIVAL DE DANÇA ITACARÉ - ANO VI - ENCERRA PRIMEIRA ETAPA



A programação reuniu espetáculos, intervenções, oficinas, rodas de conversa e exibição de documentários. Aconteceu no Centro Cultural Porto de Trás, Itacaré e esta semana no Teatro Municipal de Ilhéus.

Nem a forte chuva com rajadas de vento da noite de quinta-feira, 14, não diminuiu o brilho do VI Festival de Dança Itacaré, que teve casa lotada no segundo dia da programação. Dançarinos anfitriões do Núcleo da Tribo abriram as atividades no Centro Cultural Porto de Trás, com o espetáculo Toque de Guerra, emocionando a plateia. Com criação e direção de Verusya Correia e participação dos interpretes-criadores Aristides Xixito, Jamerson Santos, Miquiba Cruz, Valmilson Pericles Nascimento, a montagem denomina-se uma manifestação pela vida coletiva.

Em seguida, o palco foi ocupado pelo espetáculo Nosso Lindo Balão Azul, da companhia Entretantas Conexão em Dança, de Curitiba, com criação e performance de Gladis Tridapalli, Ludmila Veloso, Mabile Borsatto e Raquel Bombieri.  O trabalho se explica como uma brincadeira assumida com as noções de coreografia, ora dança com passos exatos na música, ora perde o compasso, e usa da repetição para transformar sua própria fisicalidade, seu próprio design.

Conversa - Na manhã desta sexta-feira, 15, o artista e gestor cultural Jacson Santos mediou a conversa Políticas Públicas para a Dança, no Estúdio Armondes, com a participação de dançarinos e agentes culturais. Após relatar sua ampla experiência nos colegiados e instituições desse setor, ele compartilhou conhecimentos sobre a Lei Orgânica da Cultura da Bahia – Nº 12.365, de 30 de novembro de 2011 – e incentivou ações para o fortalecimento da cultura municipal.

A sexta edição do Festival de Dança Itacaré prossegue até domingo, com apresentações dos espetáculos Solus Híbridus, da companhia homônima e Asararas, do grupo Mangrove Tectactile & This is Not, nesta sexta, 15, às 19 e 20 horas, no Centro Cultural Porto de Trás, onde também acontecem a oficina Agência de Rolês, às 16 horas, e a intervenção Transakrytca, antes e depois das apresentações.

Sábado (16), o palco da dança será ocupado pelos espetáculos Mulata, da bailarina Wilemara Barros (Cia Dita), Solo Hibridus e Sentença, do grupo Misturarte, 19, 19h30 e 20 horas, no Centro Cultural. 

Ontem, no encerramento da etapa de Itacaré, domingo (17), o roteiro começou com a conversa Vivendo de Arte: Circuitos e Estratégias, dirigida por Felipe Assis, 16 horas, no Estúdio Armondes e terminou com encenações do solo Pele de Foca, da bailarina Melissa Figueiredo e do espetáculo Entrelinhas, do grupo Ponto Art, 19 e 20 horas, no centro cultural.

Ilhéus – Esta semana (22 e 23), a produção do Festival de Dança Itacaré desloca-se para Ilhéus, onde se apresentam o solo Mulata, da Cia Dita e o espetáculo ISTC, solo da bailarina Isaura Tupiniquim, dia 22, às 19 e 20 horas, no Teatro Municipal de Ilhéus.

No sábado (23), o escritor e diretor de teatro, Pawlo Cidade, ministra oficina sobre Produção Cultural, 10 horas, na Academia de Letras. O último dia do festival será marcado pelas montagens O Crivo, do grupo Ateliê do Gesto e Da Própria Pele não há quem Fuja, encenada por ExperimentandoNus Cia. de Dança, também às 19 e 20 horas, no Teatro Municipal.

O evento é uma realização da Comunidade Tia Marita, com apoio institucional da Casa Ver Arte e apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

Serviço
O que: VI Festival de Dança Itacaré.
Quem: Casa Ver Arte e Comunidade Tia Marita.
Quando: 13 a 17 de setembro (Itacaré) – Centro Cultural Porto de Trás e Estúdio Armondes.
   22 e 23 de setembro (Ilhéus) – Teatro Municipal e Academia de Letras.
Quanto: Gratuito
Curadoria e direção artística:  Coreógrafa Verusya Correia – (73) 99990.4873
Assessoria de Imprensa: Jornalista Vera Rabelo – (73) 98809.1730

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

FESTIVAL DE DANÇA DE ITACARÉ ESTREIA COM SUCESSO



O evento é uma realização da Casa Ver Arte e Comunidade Tia Marita, com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

O Balé do Teatro Castro Alves abriu a programação do VI Festival de Dança Itacaré, quarta-feira, 13, com os espetáculos Dan eGenerxs, no Centro Cultural Porto de Trás. O evento segue até domingo, 17, com apresentações de dança, oficinas, intervenções artísticas e rodas de conversas. As atividades acontecem também no Estúdio Armondes, onde foi exibido o documentário Raimundos: Mestre King e as Figuras Masculinas da Dança na Bahia, dirigido por Bruno de Jesus, mostrando o legado deixado pelo precursor da dança afro na Bahia e no Brasil.
A coreografia Dan, dirigida coletivamente por Rosa Barreto e elenco formado por sete bailarinos, é inspirada na simbologia de Oxumaré, orixá ambíguo - macho e fêmea/ água e terra – caracterizado pela serpente sagrada do Daomé-Benin, que representa a eternidade e a mobilidade sob a figura de uma cobra que engole a própria cauda. “Estamos muito felizes por participar desse festival, em um lugar tão especial como Itacaré”, enfatizou a coreógrafa, pontuando a emoção proporcionada pela proximidade com o público. “Uma troca de energia muito forte e comovente”, disse ela.

O segundo espetáculo da noite, Generxs, com dez dançarinos em cena, iluminou o debate contemporâneo sobre gênero e sexualidade.“Provocamos a discussão sobre as relações cotidianas e sutis que permeiam esse tema”, destacou o coreógrafo Leandro de Oliveira, que divide a direção com o elenco. A intenção é levar o público a refletir, partindo de imagens e contextos que mostram a crueldade a que são submetidos os indivíduos na construção da identidade de gênero. “O festival tem uma importância enorme para todos nós, pois permite a circulação e intercâmbio da produção artística”, completou.


Alcance - Para a diretora artística do festival, Verusya Correia, a sexta edição do evento consolida Itacaré como importante circuito da produção artística da Bahia e do Brasil. “Agradecemos imensamente a todos os parceiros, artistas e instituições que nos apoiam, sobretudo à equipe de produção”, ressaltou durante receptivo aos visitantes. Participam do festival 66 pessoas, entre bailarinos, palestrantes e oficineiros, de Salvador, Itacaré, Valença, Curitiba, Ipatinga, Belo Horizonte, Goiânia, Paraíba e Fortaleza.

Nesta quinta-feira (14), o palco do Centro Cultural Porto de Trás será ocupado pelas montagens Toque de Guerra, com o Núcleo da Tribo e Nosso Lindo Balão Azul, do grupo Entretantas Conexão em Dança, às 19 e 20 horas. A programação completa está disponível no site http://festivaldedancaitacare.com.br/

Na semana seguinte (22 e 23), a produção desloca-se para Ilhéus, com espetáculos e oficina no Teatro Municipal de Ilhéus. O evento é uma realização da Casa Ver Arte e Comunidade Tia Marita, com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

 Verusya Correia e Djalma Fernandes da Câmara de Dança de Ilhéus


Serviço

O que: VI Festival de Dança Itacaré.
Quem: Casa Ver Arte e Comunidade Tia Marita.
Quando: 13 a 17 de setembro (Itacaré) – Centro Cultural Porto de Trás e Estúdio Armondes.
22 e 23 de setembro (Ilhéus) – Teatro Municipal e Academia de Letras.
Quanto: Gratuito
Curadoria e direção artística:  Coreógrafa Verusya Correia – (73) 99990.4873
Assessoria de Imprensa: Jornalista Vera Rabelo – (73) 98809.1730

ENCONTRO DISCUTIU MERCADO E FOMENTO DO AUDIOVISUAL NA BAHIA


I Encontro de Integração do Audiovisual aconteceu nesta quarta-feira, 13 de setembro, no Instituto Feminino da Bahia, com presença de agentes culturais do setor artístico, gestores de órgãos públicos e representantes de organizações. O cineasta Aly Muritiba tratou do tema O papel dos editais e o processo criativo, abordando o audiovisual brasileiro. Ele citou lançamentos recentes, relacionando com o contexto da indústria e opinando que o mês de agosto foi especialmente bom para o cinema nacional.

O Encontro, promovido pela SecultBA com coordenação da Dimas, teve abertura com a presença de Rômulo Cravo, chefe de gabinete da SecultBA, representando o secretário de Cultura Jorge Portugal; Alexandre Simões, diretor da Suprocult; Renata Dias, diretora da Funceb, e Bertrand Duarte, diretor da Diretoria do Audiovisual (Dimas/Funceb); Janaína Rocha, representando Flávio Gonçalves, do Irdeb. Rodrigo Hita, chefe de gabinete, e Sahada Luedy, diretora executiva de sistemas e serviços da SECTI, compuseram a mesa.

Aly Muritiba elogiou a política de editais baiana voltada para as produções do audiovisual, citando os Editais Setoriais 2016 que apresentaram, até aquele momento, o maior investimento verificado no Estado para a área, com R$ 14,5 milhões da parceria entre Fundo de Cultura da Bahia (R$ 6,5 milhões) e Ancine (R$ 8 milhões). O superintendente de Promoção Cultural da Secretaria da Cultura da Bahia, Alexandre Simões, ressaltou o protagonismo da Associação dos Produtores de Cinema do Estado que sugeriu a parceria.

Os projetos da área do audiovisual receberam cerca de 20% dos valores totais conveniados dos Editais Setoriais 2016, com recursos do Fundo de Cultura da Bahia. Dos 245 projetos ativados pelo FCBA, em 23 setores da cultura, 42 contemplaram as áreas de Produção, Distribuição e Difusão voltados para filmes, documentários e produções seriadas. O novo edital está sendo elaborado e os critérios a serem utilizados foram discutidos no encontro.

Simões contou que foram apresentadas nos três anexos do Audiovisual 442 propostas, sendo 83 inscritas, 57 selecionadas e 42 conveniadas (R$ 4,6 milhões), sendo 11 delas do interior do Estado. O processo contou com uma primeira etapa de análise prévia de documentação e segunda, fundamentada no mérito das propostas. “Foram definidos critérios de avaliação como consonância com as políticas de cultura, valor cultural, viabilidade técnica e qualificação do proponente”. O novo edital, segundo o superintendente, tem lançamento previsto para o final de 2017, com os convênios sendo efetivados no primeiro semestre de 2018. “Neste segundo semestre definiremos os critérios para o lançamento dos Editais Setoriais 2017, com a conclusão do modelo para apresentação à Ancine. No primeiro semestre de 2018 serão realizadas a seleção e contratação das propostas aprovadas”.

O Encontro é voltado para produtores, associações, coletivos, roteiristas, cineastas e demais profissionais do segmento e é coordenado pela Diretoria de Audiovisual (Dimas) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb).  Os participantes se inscreveram para acompanhar a programação.

Pré-estreia - “Os exibidores querem manter filmes brasileiros em cartaz”, destacou Aly em sua fala, exemplificando produções, caso de Como nossos pais, de Laís Bodanzky e Polícia Federal – A lei é para todos, de Marcelo Antunes, “que estão tento bom desempenho de bilheteria”. 

O Encontro seguiu até as 18h.  No início da tarde, aconteceu uma dinâmica em grupo para trabalhar a discussão das categorias e temas propostos. Em seguida, fechando a programação, às 19h, aconteceu a pré-estreia do filme A gente, no Cinema do Museu. O diretor Aly Muritiba trabalhou em uma prisão como integrante da Equipe Alfa. Ele retorna, como cineasta, ao seu antigo local de trabalho para documentar a rotina dos 28 homens e mulheres, que integram a Equipe Alfa, responsável pela custódia de mais de mil criminosos de uma penitenciária brasileira.

Fonte: Ascom/Secult/BA

terça-feira, 12 de setembro de 2017

SECULTBA DIVULGA RESULTADO DO EDITAL DE AÇÕES CONTINUADAS


A Comissão Temática responsável pela análise de mérito do Edital de Apoio a Ações Continuadas de Instituições Culturais pré-selecionou 17 propostas que serão convocadas à entrega de documentação para assinatura do TAC – Termo de Acordo e Compromisso. O apoio para próximo triênio (2017/2020) conta com recursos do Fundo de Cultura da Bahia. O resultado está publicado na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (12). Foram avaliadas, entre os dias 30/8 e 03/09, 33 propostas inscritas no edital.

Das 13 instituições beneficiadas do triênio 2013/2015, 12 tiveram os contratos prorrogados até 2017 e outras cinco foram aprovadas pela Comissão Temática, formada por membros da Comissão Gerenciadora do Fundo de Cultura da Bahia e mais a participação de cinco especialistas convidados, quatro deles de fora do Estado (dois indicados a partir de consulta pública).  A análise de mérito é realizada a partir de parâmetros como o perfil da instituição e capacidade de gestão; plano de ação coerente e viável; e harmonia com a política estadual de cultura. A linha de fomento, com formato plurianual, tem como característica principal conceder apoio a atividades regularmente desenvolvidas por instituições culturais privadas baianas, sem fins lucrativos, que observem as diretrizes da política estadual de cultura e contribuam para que seus objetivos sejam alcançados.

A relação das propostas pré-selecionadas está disponível no site da SecultBA – www.cultura.ba.gov.br – e no Siic – Sistema de Informações e Indicadores em Cultura – www.siic.cultura.ba.gov.br . São consideradas instituições culturais organizações ou espaços com objetivos exclusivamente artístico-culturais dotados de história, identidade conceitual, valor socialmente reconhecido e atuação sistemática através de bens de cultura, equipamentos, produtos e/ou serviços culturais públicos.

Segundo o superintendente de Promoção Cultural, Alexandre Simões, o edital, que tem formato pioneiro no País, permite a conservação e manutenção de equipamentos e espaços, garantindo a sustentabilidade das instituições que prestam serviços culturais em todo o Estado. “O objetivo é apoiar as ações dessas instituições no período de 3 anos. São teatros, centros culturais, museus que são referência nas cidades e que através dessa seleção pública vão ter acesso a recursos para manter seu funcionamento. São acervos únicos colocados à disposição do público”.

Pré-selecionadas – Foram pré-selecionadas as instituições: Academia de Letras da Bahia, Fundação Anísio Teixeira, Balé Folclórico da Bahia, Fundação Casa de Jorge Amado, Fundação Hansen Bahia, Museu Carlos Costa Pinto, Fundação Pierre Verger, Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Museu da Misericórdia, Teatro Vila Velha, Teatro Gamboa Nova e Teatro Popular de Ilhéus (que tiveram continuidade); e também Centro Cultural e Educacional Senzala do Barro Preto (Ilê Aiyê), Associação Cultural do Samba de Roda Dalva Damiana, Projeto CultAs – Cultura Ativa no Sisal, Projeto Espaço Cultural Saici e Casa de Cultura Jonas e Pilar em Buerarema.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

MINISTRO DEBATE LEI ROUANET E MARCO REGULATÓRIO PARA A CULTURA


A Lei Rouanet e a proposta de um marco regulatório para a Cultura. Esses foram os principais temas abordados durante reunião do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, na tarde desta sexta-feira (8), com o presidente da Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro (APTR), Eduardo Barata, com a representante dos Festivais Internacionais do Rio de Janeiro e da APTR , Márcia Dias, e com representante dos Festivais Internacionais do Rio de Janeiro, Vilma Lustosa. 
 
Márcia Dias explicou que é favorável à Lei Rouanet e à Instrução Normativa, mas que elas precisam ser revisitadas em alguns pontos.  Além disso, adiantou que o grupo irá apresentar ao ministro um documento com mudanças sugeridas. "A lei existe há duas décadas e o mercado foi desenvolvido com base nesse trabalho de mais de 20 anos. Nosso pedido é que se considere o que o mercado vem fazendo", explicou. 
 
Durante o encontro, Eduardo Barata, reconheceu que houve um avanço em relação a Lei Rouanet e elogiou a equipe do Pasta à frente desse tema. "A equipe do Ministério agora está junto e a favor do proponente", afirmou.
 
Durante a reunião, o grupo propôs ao ministro um Marco Regulatório para a Cultura. A iniciativa seria benéfica para o o incremento do mercado, estabilização do setor cultural e para as linguagens artísticas como ferramenta educativas e de integração social. 
 
"Precisamos de um diálogo, não apenas com o MinC, mas com outros ministérios, para que novas leis sejam construídas para o setor, como é o caso de uma lei trabalhista específica para o setor. É urgente ter um marco regulatório para o setor", disse Márcia.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura