sexta-feira, 14 de junho de 2019

DEBATE


SEMINÁRIO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS DISCUTE POLÍTICA 
PARA O SETOR CULTURAL

José Paulo e Marcelo Calero

A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados realizou nesta última quarta-feira (12) o seminário Mecanismos de Fomento à Cultura e a Política Nacional das Artes. No primeiro painel do encontro, foram discutidos os atuais modos de fomento à cultura e as possíveis maneiras de ampliação do financiamento público ao setor.

O secretário-adjunto da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, José Paulo Soares Martins (à esquerda da foto), participou desta mesa, mediada pelo deputado federal e ex-ministro da Cultura Marcelo Calero (Cidadania-RJ), ao lado de Carlos Paiva, gestor cultural e ex-secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do antigo Ministério da Cultura, e de Bianca de Felippes, produtora cultural e cofundadora da Associação de Produtores de Teatro (APTR). Também estavam presentes as deputadas Benedita da Silva (PT-RJ), presidente da comissão, e Áurea Carolina (PSOL-MG), além de produtores e gestores culturais.

Para Martins, é necessário estabelecer, dentro do Parlamento, um calendário de ações para que haja políticas públicas que estimulem mais a cultura. “É importante que seja firmado um compromisso para que daqui a dois anos tenhamos avançado no tema e não estejamos discutindo a mesma pauta de 10, 15 anos atrás”, comentou. Um trabalho a ser feito, aponta ele, é buscar a flexibilização do teto de captação da Lei Federal de Incentivo à Cultura, o que poderia permitir que empresas de lucro presumido sejam também doadoras para projetos culturais.

Mediador do debate, o deputado Marcelo Calero destacou que a cultura precisa de novas linhas de financiamento. A necessidade de diversificar a origem de recursos para a cultura também foi ressaltada pelo gestor cultural Carlos Paiva. “É necessário que as políticas existentes sejam otimizadas e que também tenhamos novas fontes de recursos”, afirmou. Para Bianca de Felippes, da APTR, um caminho é a implantação do Fundo de Investimento Cultural e Artístico (Ficart), previsto na Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

PATRIMÔNIO

FESTIVIDADE EM SANTO AMARO, NA BAHIA, INICIADA EM 1889, COMEMORA O FIM DA ESCRAVIDÃO E REFORÇA A RESISTÊNCIA DOS POVOS NEGROS DO BRASIL

Celebração afro-brasileira Bembé do Mercado 
é registrada como Patrimônio Cultural do Brasil


Celebração afro-brasileira Bembé do Mercado, que comemora o fim da escravidão e reforça a resistência dos povos negros, é o mais novo Patrimônio Cultural do Brasil. A festa pela liberdade, realizada em Santo Amaro (BA), foi avaliada e aprovada nesta quinta-feira (13) pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. A celebração teve início em 1889, um ano após a abolição da escravatura. 
Assim, há 130 anos, todo dia 13 de maio é momento para rememorar a luta pela liberdade e a resistência dos povos negros, primeiro como escravizados, depois como cidadãos. Os praticantes dessa expressão cultural, que tem forte base na religiosidade popular de matriz africana, reforçam que a festa é um culto às divindades das Águas representadas por Iemanjá e Oxum, sendo também momento de agradecer a proteção individual e coletiva.
O pedido para registrar a celebração foi apresentado ao Iphan pela Associação Beneficente e Cultural Ilê Axé Ojú Onirè em 2014. O presidente da Associação, Jose Raimundo Lima Chaves, conhecido como Pai Pote, avalia que a titulação como Patrimônio Cultural do Brasil será muito positiva, pois valorizará não só o povo de terreiro, como também a comunidade negra da diáspora africana.
“Estou orgulhoso de ver o crescimento dessa celebração já reconhecida tanto pelo município de Santo Amaro quanto pelo estado da Bahia. Agora esperamos que o reconhecimento seja de todo o Brasil”, comemorou Pai Pote.

SAIBA MAIS CLICANDO AQUI 

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Divulgados resultados de análise prévia dos Editais do Audiovisual 2019


A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) divulgou nesta terça-feira (04), o resultado final da análise prévia das propostas apresentadas aos  Editais Setorial do Audiovisual 2019, do Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) e do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Para conferir o resultado, o candidato deve acessar o Sistema de Informação e Indicadores em Cultura – Clique Fomento (SIIC/Clique Fomento), disponível no endereço: www.siic.ba.gov.br

O prazo para a interposição de recursos é de 10 dias, de 05 a 14 de junho, no SIIC. A divulgação do resultado após análise dos recursos, no Diário Oficial e nos principais meios de comunicação da SecultBA e da Funceb (site e redes sociais), está prevista para 20 de junho.

Após este período, os projetos seguirão para a fase de análise de mérito e serão avaliados por comissões temáticas. As comissões são formadas por membros da sociedade civil, incluindo indicados do Conselho de Cultura, e do poder público, ligados à cultura com experiências em projetos e/ou gestão cultural, mantendo-se como princípio o número ímpar e, pelo menos, um equilíbrio entre a origem dos membros.

Em 2019 os recursos foram distribuídos em dois editais, sendo o primeiro de R$ 4,9 milhões geridos pelo Fundo de Cultura da Bahia (FCBA), e o segundo de R$ 15 milhões captados do Fundo Setorial do Audiovisual da Agência Nacional de Cinema (Ancine), que serão geridos pela Funceb.

Das 236 propostas enviadas para concorrer ao edital com recurso do Fundo Setorial de Audiovisual (FSA), 229 são de Produção e 7 para Distribuição. As demais propostas se referem ao certame com recurso oriundo do FCBA, que recebeu 561 inscrições. 

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico e culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias Estaduais de Cultura e da Fazenda da Bahia. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Cultural e Editais Setoriais.




domingo, 26 de maio de 2019

OPINIÃO



A CONSTRUÇÃO DE UM PLANO MUNICIPAL DE CULTURA
Pawlo Cidade

Construir um Plano de Cultura requer conhecimento da dimensão conceitual de Cultura. E definir “Cultura” não é uma questão simples. Como diz Idelbar Avelar: “Cultura é daquelas palavras escorregadias, aparentemente simples, que com frequência são usadas com sentidos não só diferentes, mas antagônicos. Mais produtivo que estabelecer qual é a definição “correta” de cultura seria observar quais os sentidos adquiridos pela palavra ao longo do tempo e o que eles nos dizem sobre os seus referentes no mundo real”.
Construir o PMC implica no desafio de promover a atualização da noção de patrimônio cultural que, outrora, limitava-se a questões do patrimônio material, sem a produção de uma política sustentável de salvaguardar a memória, deslocada das dimensões de preservação, circulação, acesso, produção e geração de valor. Construir o PMC requer instrumentalizar a Secretaria da Cultura de condições capazes de tomar a frente de ações e políticas de patrimônio, preservação e memória e fazer valer a Lei nº 2.312, de 1º de agosto de 1989, que delimitou o Centro Histórico da cidade de Ilhéus e a Lei nº 2.314, de 3 de agosto de 1989 que instituiu o tombamento de bens móveis no Município, porém, limitava-se ao patrimônio cultural material.
Um plano é escrito para ampliar e desenvolver políticas e programas que articulem parcerias públicas e privadas, que relacionem a cultura com o pensamento e crie espaços para reflexão, crítica, apoio ao fazer cultural, à pesquisa, à formação e ao debate. Um plano garante a cidadania e a acessibilidade cultural e aponta caminhos para a consecução de outros planos como o do livro e da leitura.
A construção do plano gera direcionamentos para o empreendedorismo cultural, a valorização do artista local, o investimento em novos negócios e modelos da cultura, em toda a sua cadeia produtiva. Há mais transparência na aquisição, fruição, difusão e distribuição de bens culturais.
O desafio da transversalidade na criação do plano faz com que compreendamos a educação e a comunicação como dimensões fundamentais da Cultura, fazendo com que escolas, universidades, grupos sociais, organizações da sociedade civil incorporem a cultura como um dos seus eixos estruturantes. Faz-se mister a criação de um plano que possa desenvolver uma política diversificada e eficaz de financiamento da cultura, fortalecendo assim a economia e promovendo a auto sustentabilidade da cultura.

* Este texto faz parte do artigo: 
“Plano Municipal de Cultura: Instrumento de Convergências”, 
do mesmo autor, que em breve será publicado.

quinta-feira, 16 de maio de 2019

ARTES CÊNICAS: Iberescena está com inscrições abertas para apoio a projetos



Estão abertas até 13 de setembro  as inscrições para o programa Iberescena – Fundo de Ajuda para as Artes Cênicas Ibero-americanas. Nesta convocatória, serão selecionados projetos nas seguintes categorias:


O valor das premiações varia entre 15 mil e 30 mil euros. Os interessados deverão se inscrever por meio da plataforma digital disponível neste link. As informações e os formulários referentes a cada um dos processos seletivos estão disponíveis, em português, na página eletrônica www.iberescena.org.
Além do Brasil, que integra o Iberescena desde 2010, outros treze países fazem parte do programa: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai. Todos atuam em conjunto com a Secretaria Geral Ibero-americana e a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento.
A Fundação Nacional de Artes (Funarte), vinculada ao Ministério da Cidadania, é a instituição que representa o Brasil no Fundo, sendo essa uma de suas mais abrangentes ações de internacionalização.


Fundação Nacional de Artes (Funarte)
Ministério da Cidadania


domingo, 5 de maio de 2019

NOVIDADES NO EDITAL DE MOBILIDADE CULTURAL DO ESTADO

Espetáculo "Cidade Cega", Paris, 2017

Edital de Mobilidade Cultural do FCBA traz mudanças nas edições 2019
Atualmente estão abertas, até 17 de maio, as inscrições para a segunda chamada do ano

Iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), o Edital de Mobilidade Cultural trouxe novidades para 2019. A ampliação do número de categorias, a garantia do uso do nome social para travestis e transexuais, a possibilidade de incluir acompanhante e o atendimento a pessoas menores de 18 anos são algumas das mudanças da chamada pública reformulada este ano, e que conta com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA).

“O novo formato do edital é fruto do aperfeiçoamento contínuo das políticas públicas de cultura, a partir das demandas apresentadas pelos diversos agentes do segmento”, destaca o superintendente de Promoção Cultural, Alexandre Simões.

O objetivo do certame é o financiamento de projetos e ações culturais a serem realizados por artistas, grupos, coletivos e agentes culturais, dos 27 territórios de identidades da Bahia, em outros estados brasileiros e países. O valor disponível para a chamada é de R$ 400 mil e os selecionados terão viagens previstas de novembro de 2019 a janeiro de 2020.

As propostas para 2ª chamada do Edital de Mobilidade Cultural 2019 podem ser enviadas até 17 de maio, por meio do módulo Clique Fomento do Sistema de Informações e Indicadores em Cultura (SIIC), disponível no endereço eletrônico https://siic.cultura.ba.gov.br/.

Faixa etária – Em edições passadas, somente pessoa físicas e jurídicas maiores de idade poderiam apresentar propostas. Dessa vez, o edital engloba também pessoas entre 10 e 17 anos, devidamente representadas ou assistidas por seus pais ou tutores, na categoria Formação Artística e Cultural Infantojuvenil.

Acompanhante – Menores de idade e beneficiários que por motivo justificado (idade avançada, deficiência, dificuldades de locomoção ou discernimento ou motivos socioculturais) necessitam da presença de acompanhante, podem incluí-lo na proposta.

O acompanhante deve ser necessariamente pessoa física e passa a compor a ficha técnica, sendo contabilizado como beneficiado para faixa de apoio individual e adicionais.

Nome social – Nesta edição, o edital dá um passo importante na garantia dos direitos de travestis e transexuais. Os proponentes podem participar do processo utilizando o nome pelo qual são reconhecidos socialmente, em detrimento ao nome que consta no registro civil.

Novas categorias – As categoriais para apoio às iniciativas de mobilidade cultural foram ampliadas de três para cinco, contemplando uma maior diversidade de propostas. São elas: Formação artística e cultural Adulto; Formação artística e cultural Infantojuvenil; Residência artística e cultural; Intercâmbio e Cooperação Cultural; e Circulação, Difusão e Promoção.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em quatro (4) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Cultural e Editais Setoriais.


Assessoria de Comunicação - Secretaria de Cultura do Estado da Bahia – SecultBA
Telefone: (71) 3103-3442 / 3452

sábado, 27 de abril de 2019

PONTO DE VISTA


A FUNÇÃO DO ARTISTA NA POLÍTICA CULTURAL


Ei, você aí. Você mesmo. Você é aquele cara que cultiva as belas-artes? É aquele cara ou aquela mulher dotada de habilidades especiais? Você desempenha seu ofício com destreza? Você é talentoso, hábil, engenhoso? Então você é um artista. Diz-se do artista aquele que tem vocação. O artista é um operário das emoções. E digo mais: O artista é o indivíduo que consegue dizer tudo aquilo que o outro tem vontade de dizer, mas não diz.
Qual a função do artista na Política Pública de Cultura? Quem é o mais interessado em todo o processo de construção destas políticas? Afinal, o que é uma Política Pública? O que é uma Política Cultural? Qual a função da Política Cultural? Qual a função do artista? Tem artista que não gosta de participar de discussões políticas. Uns preferem o silêncio, outros desdenham. Outros ainda acham que estão sujeitos à censura, mas esquecem que não estão - como diria o poeta Pedro Lyra - sujeitos ao silêncio.
Para início de conversa, uma Política Pública pode ser entendida como um “conjunto de programas, ações e atividades desenvolvidas pelo Estado diretamente ou indiretamente, com a participação de entes públicos ou privados que visam assegurar determinado direito de cidadania, de forma prolixa ou para determinado seguimento social, étnico, econômico ou cultural!”
Partindo deste conceito, a Política Pública de Cultura seria um programa de intervenções realizadas pelo Estado, por instituições civis, entidades privadas ou grupos comunitários com o objetivo de satisfazer as necessidades culturais da população e promover o desenvolvimento de suas representações simbólicas, segundo o professor e pesquisador Teixeira Coelho. Se o objetivo de uma Política Pública de Cultura é satisfazer as necessidades culturais da população, então, o mais interessado nesta política não é o artista e sim a comunidade. E, por que a comunidade, via de regra, não participa da construção das Políticas Públicas de Cultura e sim os artistas? Bem, esta é uma discussão que merece até um outro texto. Então, deixemos para outro dia.
Se o objetivo da Política Pública de Cultura é satisfazer necessidades, a função dela é desenvolver o setor cultural, ou seja: “fortalecer a difusão e o consumo cultural, corrigir distorções, resolver os problemas detectados no diagnóstico”, diz o professor Alexandre Barbalho.
E a função do artista? Bem, a função do artista, enquanto artista, é falar pela sociedade. É o artista que utiliza suas obras para denunciar, encantar, abrir caminhos para novos pensamentos. Porém, a função do artista na Política de Cultura é ser um agente da política cultural. É o cara que vai transformar, construir e fortalecer esse negócio. É a ponte entre a sociedade civil e o poder público. O artista neste contexto é o provocador! O que dá o primeiro passo! O que enxerga solução onde o outro enxerga problema. O artista não fica com ‘a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar!’ O artista não espera, ele acontece!
Um artista é – para Edward Gordan Craig - aquele que percebe mais que seus companheiros, e que registra mais do que vê. " É aquele que possui, segundo o filósofo Paul Valéry, o objetivo profundo de dar mais do que aquilo que tem.
Se você sabe de toda essa capacidade, porque prefere se acomodar? Sai desse casulo, afasta-se da caverna e faz!













       Pawlo Cidade

sábado, 13 de abril de 2019

ABERTA CHAMADA PÚBLICA DE BANDAS FILARMÔNICAS E GRUPOS DE CULTURA POPULAR PARA O CORTEJO 2 DE JULHO

Foto: Nila Carneiro

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), através da Fundação Cultural (Funceb), abre Chamada Pública para selecionar Bandas Filarmônicas e Grupos de Manifestação de Cultura Popular para se apresentarem no Cortejo da Independência da Bahia - 2 de Julho, deste ano.

As inscrições começaram na segunda-feira, 8 de abril, e seguem até 7 de maio, mediante o envio do formulário, documentação obrigatória e anexos cabíveis, devidamente preenchidos, disponibilizados no site da Funceb, encaminhados por correspondência registrada ou via SEDEX, e com Aviso de Recebimento (AR) para a sede da Funceb. Confira mais informações no site da Funceb: www.fundacaocultural.ba.gov.br.

Serão selecionadas 10 Bandas Filarmônicas com aproximadamente 40 integrantes, cada uma, e até 5 suplentes; e 3 Grupos de Manifestação de Cultura Popular, com aproximadamente 25 integrantes, e até 3 suplentes; para compor a grade de programação do desfile.  Cada atração receberá o cachê e R$ 6 mil.

O resultado dos selecionados e suplentes será publicado no Diário Oficial do Estado e no site da Funceb até 17 de maio de 2019. Caberá recurso do resultado quanto a erros formais e de procedimento até cinco dias úteis a partir da publicação. A relação final dos selecionados e suplentes será publicada no site da Funceb até 31 de maio de 2019.

Os selecionados devem, no máximo 02 dias após a publicação da relação final, cadastrar-se como fornecedor no portal SAEB, na opção de inscrição de Credenciamento para Cotação Eletrônica (Candidato), habilitando-se para prestar serviço através da família 01.63 – Apresentação de Grupo Artístico.

Critérios de Seleção – Para selecionar as Bandas Filarmônicas, serão observados os critérios de relevância histórica, artística e cultural para o Cortejo Dois de Julho, tempo de atuação e comprovação de atividades recentes.

Os Grupos de Manifestação de Cultura Popular precisam ser de uma das cidades da rota histórica da Independência do Brasil na Bahia (Cidades do Recôncavo e da Região Metropolitana de Salvador, e Caetité) e que sejam atuantes e reconhecidos por sua trajetória, além de aderência artística e cultural com o Cortejo Dois de Julho. 

Serviço

Chamamento Público de Bandas Filarmônicas e Grupos de Cultura Popular para o Cortejo 2 de Julho

Inscrições: 8 de abril a 7 de maio de 2019
Resultado final: até 31 de maio de 2019
Mais informações em www.fundacaocultural.ba.gov.br

sexta-feira, 5 de abril de 2019

RECADASTRAMENTO DE ARTISTAS ILHEENSES FICA ABERTO ATÉ O DIA 19 DE ABRIL

Artistas do Bloco Afro Dilazenze
A Secretaria Municipal da Cultura (Secult) informa que estão abertas a partir desta terça-feira (19), o recadastramento de agentes culturais com vistas à eleição dos novos membros das Câmaras Temáticas do Conselho Municipal de Cultura (CMC) de Ilhéus. Os interessados poderão acessar o link para o recadastramento no endereço eletrônico:https://bit.ly/2UGWADD
De acordo com a Secult, A cada quatro anos, artistas e produtores culturais, pesquisadores, professores e técnicos das áreas artísticas devem se cadastrar para as eleições do Conselho Municipal de Cultura. Só podem participar artistas radicados na cidade de Ilhéus e que possuam, no mínimo, um ano de atividade na área.
O recadastramento estará aberto até o dia 19 de abril, com possibilidade de prorrogação. O secretário da Cultura, Pawlo Cidade informa que “o recadastramento é fundamental para a escolha dos novos membros que conduzirão o destino do CMC no biênio 2019-2020. Ser conselheiro é mais que um exercício de cidadania, é acima de tudo, compromisso e responsabilidade”.

sexta-feira, 29 de março de 2019

FUNCEB VAI PROMOVER 2ª EDIÇÃO DO CURSO DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS PARA EDITAIS CULTURAIS

1ª edição do Curso, em 2018. Foto: Ascom/Funceb

A Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb/SecultBa), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, (SENAC), vai promover a 2ª edição gratuita do Curso de Elaboração de Projetos para Editais Culturais.

A nova edição do curso surgiu a partir de uma grande procura apresentada pela primeira edição em abril do ano passado, com mais de 80 pessoas na lista de espera. 

O curso terá carga horária de 20 horas e objetiva ampliar o acesso qualificado à participação em editais de cultura, além de certificar artistas e agentes, incluindo-os de maneira qualificada no mercado de trabalho de prestação de serviços. 

O curso faz parte do Programa Ações Formativas, realizado em parceria do SENAC, que vai realizar diversas ações no decorrer de 2019. A Funceb e o SENAC estão trabalhando no planejamento pedagógico curso para em breve abrir as inscrições.  Acompanhe o site da Funceb para não perder nenhum prazo!

quinta-feira, 28 de março de 2019

EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA SECULT/ILHÉUS ESTÁ COM INSCRIÇÕES ABERTAS


A Secretaria Municipal de Cultura de Ilhéus (Secult) recebe, até o dia 28 de novembro, as inscrições para o Edital Demanda Espontânea – Apoio a Projetos Culturais em todas as áreas artístico-culturais contempladas pela Lei Municipal nº 3.949/2018. Podem participar pessoas jurídicas de direito privado que exerçam atividades na área cultural com valor limite de R$ 10 mil e pessoas físicas, maiores de 18 anos, com valores até R$ 5 mil.
O apoio financeiro concedido poderá ser de valor inferior ao apresentado pelo proponente na proposta original, conforme indicação justificada da Comissão de Análise de Projetos (CAP). “É preciso democratizar e descentralizar as ações culturais. O edital Demanda Espontânea cumpre esse objetivo, quando permite que todas as categorias artísticas participem da seleção”, destaca o prefeito de Mário Alexandre.
Serão aceitas propostas de qualquer natureza, exceto residência artística e formação em outros estados ou no exterior, nos termos da resolução; ações continuadas de instituições culturais; propostas de obras em edificações quer seja de qualificação, reforma ou restauro. As propostas estarão sujeitas ao calendário de reuniões da CAP.


Comissão de avaliação - A CAP será formada por cinco membros, podendo ser ampliada de acordo com o número de propostas inscritas, composta por pessoas da sociedade civil e do poder público. Na formação da comissão, será considerada a atuação nas áreas do edital e experiência em projetos ou gestão cultural. Os membros serão nomeados pelo secretário municipal da Cultura e publicada em portaria pelo prefeito, no Diário Oficial do Município.
Terá como atribuições a avaliação de projetos, de acordo com os critérios indicados no edital e convidar proponente para esclarecimentos adicionais, presencialmente, caso seja necessário, através de comunicado via e-mail ou contato telefônico.
“Este é um edital de fluxo contínuo, ou seja, estará aberto quase o ano todo, possibilitando mais oportunidades aos produtores de apresentarem seus projetos. Iremos fazer alguns encontros ao longo do ano para orientar os artistas. Os proponentes devem estar atentos às reuniões do CAP, pois cada projeto só poderá ser analisado anterior às reuniões e realizado 60 dias após a aprovação”, assinala o secretário da Cultura, Pawlo Cidade.
Maiores informações podem ser obtidas através do e-mail demandaespontanea2019@gmail.com, ou presencialmente, sempre às quartas-feiras, das 8 às 11 horas, e das 14 às 17 horas. 

segunda-feira, 25 de março de 2019

SECULT/BA DIVULGA RESULTADO DE CHAMADA ÚNICA DO EDITAL DE MOBILIDADE ARTÍSTICA E CULTURAL



As propostas selecionadas pela análise de mérito da chamada única do Edital de Mobilidade Artística e Cultural 2019, da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), foram divulgadas na edição de sexta-feira (22), do Diário Oficial do Estado. A relação das propostas avaliadas, incluindo as não selecionadas, está disponível nos endereços eletrônicos: www.cultura.ba.gov.br e siic.cultura.ba.gov.br. O período para interposição de recursos é de 25 de março até 03 de abril.

Durante três dias, os membros da Comissão Gerenciadora do Fundo de Cultura da Bahia, realizaram a análise de mérito de 57 propostas inscritas na chamada. No total, foram aprovadas 25 propostas titulares e 03 suplentes. A SecultBA alerta que os aprovados devem ficar atentos para a convocação acerca da entrega da documentação obrigatória, etapa que deve ocorrer entre os dias 02 e 11 de abril.

O recurso para esta chamada é de R$ 400 mil, a serem investidos em projetos nas áreas de Intercâmbio e Difusão; Residência Artística e Formação Cultural, para atividades que devem ocorrer fora do estado ou país.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA)
 – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. 

Confira a lista das propostas pré-selecionadas

sexta-feira, 15 de março de 2019

ABERTAS INSCRIÇÕES PARA EDITAL DA DÉCADA AFRODESCENDENTE 2019


Foto divulgação (ASCOM/SEPROMI)

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), lançou nesta quarta-feira (13) o Edital da Década Afrodescendente 2019, com o objetivo de viabilizar projetos nas áreas do reconhecimento, fomento à justiça e ao desenvolvimento da população negra, dos povos e comunidades tradicionais da Bahia. A chamada pública, que segue com inscrições abertas até o dia 12 de abril, contam com recursos na ordem de R$2,4 milhões.

Um das novidades deste ano é a ampliação do número de projetos a serem contemplados, com previsão de apoio a 44 iniciativas. As propostas podem ser executadas nas modalidades de curso, seminário, assistência técnica, oficina, intercâmbio de tecnologias e de experiências, ferramentas de comunicação e feiras. Serão viabilizadas iniciativas para períodos como Julho das Mulheres Negras, Agosto da Igualdade e Novembro Negro.

A inscrição de projetos poderá ser presencial, através de envio pelos Correios (Sepromi - Avenida Manoel Dias da Silva, nº 2.177, Pituba, CEP 41.830-000, Salvador – Bahia), ou por e-mail: proposta.edital2019@sepromi.ba.gov.br. A íntegra do edital e seus anexos estão disponíveis no site www.sepromi.ba.gov.br.

Mesa de orientações - A chamada pública segue as diretrizes do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC) que baseia as parcerias entre a administração pública e as organizações civis. Uma mesa técnica de orientações será realizada na próxima quarta-feira (20) para esclarecer detalhes do edital, evento que acontece a partir das 08h30, na sede da Sepromi, em Salvador.

quarta-feira, 13 de março de 2019

ARTIGO

Curso de Especialização em Gestão Cultural da Universidade Estadual de Santa Cruz: Análise de Qualidade e Abrangência no Território Litoral Sul da Bahia
        Renata Rodrigues Mendes[1]
                                           Samuel Leandro Oliveira de Mattos[2]

Resumo

Este artigo se propõe analisar a qualidade do Curso de Especialização em Gestão Cultural da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, e sua abrangência no âmbito do Território de Identidade Litoral Sul da Bahia. Em específico, objetivou-se aqui verificar a relação do Curso com as políticas culturais baianas (em referência ao período 2007-2017); sua inter-relação com os demais setores culturais da própria Universidade e o grau de satisfação dos estudantes quanto à infraestrutura, professores, coordenação, disciplinas e materiais utilizados. Metodologicamente, a pesquisa foi documental e de natureza qualitativo-descritiva. Os dados foram obtidos dos arquivos da Secretaria do Curso, da Secretaria de Pós-Graduação e de informações diversas, disponíveis no sítio institucional da UESC, na internet. Como resultado, percebeu-se que o Curso é considerado de boa qualidade, que os docentes são qualificados, que os conteúdos disciplinares são satisfatórios e que a sua infraestrutura atende às necessidades. Constatou-se também que há relativa inter-relação com setores culturais da UESC e grande sintonia com as políticas públicas estaduais, no campo da cultura. Quanto à abrangência, observou-se que o Curso se encontra em expansão para praticamente todo o Território, para outras regiões da Bahia e, ainda, para outros estados do Brasil. Por fim, embora o Curso ainda esteja em fase de consolidação, concluiu-se que este já seja relevante para a formação de gestores culturais no Sul da Bahia e se desenvolva solidamente na relação universidade- sociedade.

Palavras-chave: Cultura, Gestão Cultural, Curso de Especialização. 

quinta-feira, 7 de março de 2019

PONTO DE VISTA




REPENSAR AS POLÍTICAS CULTURAIS
Pawlo Cidade*

É fato que as tecnologias digitais transformaram a cadeia de valor cultural. No entanto, a ascensão das plataformas digitais gerou vários desafios. 95% do valor da economia de aplicativos está concentrada em 10 países. Houve uma explosão de dados privados na rede. A cada 60 segundos, são disparados 347.222 tweets; 527.760 fotos são compartilhadas no Snapchat; 2,78 minutos de vídeos são visualizados no YouTube; 701.389 pessoas conectam-se ao Facebook e 51.000 aplicativos são baixados da Apple. Estes dados estão disponíveis no resumo do Relatório da UNESCO, publicado em 2018.

Diante desta quantidade imensa de dados a gente ainda não sabe como utilizá-los.  Entretanto, alguns grupos já aprenderam a manipular, ou melhor, a usar toda esta informação para seu próprio benefício. Tudo que a gente precisa saber está na rede. Eu disse tudo! É possível saber o que você come, veste, fala, sente, pasmem! Até o que você pensa. Claro que na verdade tudo não passa de uma combinação de números e hábitos que é possível dizer o que você vai fazer nos próximos dez minutos que ficar em frente ao WhatsApp, ao Facebook ou o tweet. A Cultura precisa aprender a usar estas ferramentas tecnológicas, adentrar no mundo das redes sociais e despertar no indivíduo o gosto pelo teatro, pela música, pelas artes visuais, pelo circo. Sei que despertar apenas basta. O desafio maior está em manter estes mesmos indivíduos conectados na arte e na cultura. a área do marketing sabe muito bem disso, afinal, “conquistar é fácil, difícil é manter o que foi conquistado”.

Como podemos fazer isso? Confesso que também gostaria de saber. A Unesco nos delega, e aqui eu me refiro ao Estado, a função de “adotar planos e estratégias digitais para investir na produção cultural local”. Parece uma questão simples, mas não é. É aí que o gestor cultural precisava usar a criatividade para promover o desenvolvimento desta questão. O recurso financeiro não é o problema, nem tampouco a solução. O fomento é um processo que requer habilidade, estudo e perpassa por todos os setores, sobretudo na compreensão de quem não entende nada ou quase nada do fenômeno cultural. Posso passar uma manhã inteira discutindo sobre fomento e explicar a uma Procuradoria, por exemplo, que um artista que é reconhecido por seus pares em sua localidade não precisa ter reconhecimento nacional para propor um contrato por inexigibilidade.

Criar estratégias, requer “apoiar centros, incubadoras e agrupamentos criativos”. São nelas que as ideias e os planos acontecem.  Me dá um bocadinho só de recursos para você ver o que nós somos capazes de fazer. Entretanto, precisamos urgentemente “melhorar a alfabetização digital para garantir o acesso a diversos conteúdos digitais”, preconiza a Unesco.  E isso só acontece se a gente “desenvolver novas parcerias colaborativas”. É juntar SEBRAE, universidades, ongs, prefeituras, pesquisadores, fazedores de arte, investidores, iniciativa privada. Deixa Romualdo Lisboa ter condições para criar o Parque Aldeia das Artes para ver o que ele é capaz de fazer. Deixa Toninho só pensar em música erudita para ver o que acontece. Você já pensou se Manu Pessoa tivesse todo o tempo do mundo para soltar a cor e o pincel em seus traçados multicoloridos e inimagináveis. Eu poderia citar aqui dezenas de artistas para qualificar os exemplos frente aos desafios em que me encontro. Ainda não tenho todas as ferramentas, muito menos os recursos necessários, a execução dos projetos. Mas sei que estou no caminho certo e continuarei apoiando todo e qualquer sistema sustentável de governança para a Cultura.

No entanto, e enquanto isso, vivo a todo instante repensando as políticas culturais, tentando entender as mídias públicas, navegando neste ambiente digital gigante e buscando parcerias com a sociedade civil. É nesta que reside nossa maior redenção. Pena, que muitos ainda não entenderam isso.

*Escritor, gestor cultural e atual Secretário Municipal da Cultura de Ilhéus.

segunda-feira, 4 de março de 2019

CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL


EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DO 
CONSELHO DIRETOR E CONSELHO FISCAL
GESTÃO 2019-2021

A Presidente da Associação Comunidade Tia Marita, Sra.  Viviane Souza Siqueira Couto, no uso de suas atribuições legais, deixa público e convoca os membros efetivos aptos para inscrição de chapas que concorrerão às eleições da nova Diretoria da Comunidade Tia Marita, para o período de 2019-2021, conforme  previstas nos Estatutos e o disposto no presente Edital.

Art. 1º - A eleição dar-se-á por votação ou por aclamação a ser realizada na sede da Associação, à rua do Centro Social Urbano, nº 350, bairro Barra, no dia 04 de abril de 2019, com início às 19 horas, findando às 21 horas, impreterivelmente.

Art. 2º - Poderão votar os membros efetivos da categoria A, observando-se os Estatutos.

Art. 3ª - A votação se destina a eleger chapa completa mínima conforme  artigos IV e V dos Estatutos, a saber:

·         Presidente do Conselho Diretor
·         Vice-Presidente do Conselho Diretor;
·         Vice-Presidente suplente do Conselho Diretor;
·         Presidente do Conselho Fiscal;
·         Vice-presidente do Conselho Fiscal;
·         Vice-presidente suplente do Conselho Fiscal.

Art. 4º- Serão aceitas somente inscrições de chapas completas, conforme Estatutos.

Art. 5º - As inscrições das chapas serão feitas junto à Comissão Eleitoral, sito  à Rua do Centro Social Urbano, 350, Barra, Ilhéus, Bahia, a partir do lançamento deste edital, impreterivelmente, até às 17 horas do dia 11 de março de 2019, mediante preenchimento de requerimento, com a apresentação dos documentos  exigidos para o pleito, a saber: Cédula de Identidade, comprovante de residência e certificado de sócio da Categoria A.

Ilhéus, Bahia, 4 de março de 2019



Viviane Souza Siqueira Couto
Presidente do Conselho Diretor 
Associação Comunidade Tia Marita


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

TEATRO POPULAR DE ILHÉUS OFERECE CURSO DE TEATRO E CANTO



Com o objetivo de ensinar a crianças e adolescentes a expressão através da arte, o Teatro Popular de Ilhéus (TPI), na região sul do estado, oferece, a partir de 11 de março, nas segundas e terças-feiras, sempre das 16h às 17h30, aulas de teatro e canto. As atividades são destinadas a crianças e adolescentes, de 8 a 14 anos, interessados na prática do teatro e do canto. As inscrições estão abertas até o dia 08 de março, diretamente no TPI, de segunda a sexta, das 14h às 18h. É necessário xerox do RG da criança e do RG do responsável.

O Curso de Teatro e Canto do TPI é ministrado por Tânia Barbosa (diretora teatral) e Antônio Melo (regente musical), e vai trabalhar com os alunos, de forma divertida e construtiva, práticas dramáticas, jogos teatrais, exercícios vocais e práticas musicais em grupo. A ideia é desenvolver e estimular as capacidades de expressão, socialização, espontaneidade, imaginação, observação e percepção.

A prática do teatro na infância é ideal para ajudar a criança a desenvolver a expressão verbal e corporal. A aula também contribui para o desenvolvimento mental e emocional, estimula a memória, a atenção e a concentração, melhora a dicção, a coordenação motora e a autoestima, combatendo a timidez. Além disso, a criança aprende a se relacionar melhor e a trabalhar em grupo, reforça o interesse pela leitura e literatura, controla suas emoções e estimula a capacidade criativa.
A iniciação musical feita desde criança também traz diversos benefícios de ordens física, mental e emocional. Além da aquisição de uma nova habilidade lúdica, os benefícios da prática do canto incluem melhoria da respiração e da dicção, estimula habilidades mentais como memória e raciocínio lógico, colabora na socialização e desenvolvimento de disciplina e concentração e ajuda na diminuição da ansiedade e do stress.

Serão apenas 20 vagas, e o investimento no curso é de R$ 120,00 mensais, podendo ainda ser pago em uma única parcela com 10% de desconto. Haverá ainda matrícula social de 20% das vagas com bolsa integral destinadas a crianças matriculadas na rede pública de ensino e cujo responsável seja portador de CadÚnico atualizado.

Teatro Popular de Ilhéus (TPI) – É uma instituição cultural mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA) com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br